A arte da felicidade no trabalho

 img98/8070/pton96lou4.jpg

Pego o ônibus e vejo uma senhora lendo um livro chamado A Arte da Felicidade no Trabalho. O capítulo que ela lia se chamava algo parecido com "Como transformar a insatisfação em felicidade".

Primeira coisa a imaginar: será que estão seguindo aquela moda das empresas, e já pegaram algum filósofo antigo para desfigurá-lo em receitas organizacionais? A Arte de Viver, de Epiteto, é vendida nas prateleiras de "auto-estima". Se fosse algo assim, eu já perguntaria como o autor ou o apresentador da obra zombariam da inteligência do leitor, confundindo noções como otium, labor e tripalium (algo hoje um tanto quanto esquecido).

Mas enfim, a obra é do Dalai Lama, junto com um psiquiatra chamado Howard Cutler. Em um dos informes do livro, consta:

Se alguém no Mundo parece ter descoberto o segredo de levar uma vida feliz, é o Dalai Lama. Ele enfrentou desafios e dificuldades difíceis para a maioria de nós imaginar, sendo forçado, com milhares de outros tibetanos, a fugir de sua terra natal depois da brutal invasão das forças chinesas, e a viver a maior parte dos últimos quarenta anos em exílio.

Mesmo sob essa trágica situação, ele não apenas atuou como o líder espiritual de seu povo e um incansável advogado dos direitos humanos, como manteve uma serenidade, uma alegria, e mesmo um senso de humor que, dadas as circunstâncias pessoais, parece não menos que um milagre.

Como psiquiatra, Cutler se interessou pelos modos do Dalai Lama, compondo então o livro. O que nos faz retornar à função de livros como esse, e da situação da senhora que lia no ônibus.

Obviamente, o livro serve como um exemplo, um horizonte de atuação e relação para consigo em condições adversas, uma receita para bem viver. Mas entre o Dalai Lama e a senhora que lia no ônibus, existe uma diferença crucial: a de que a relação inteira entre o projeto de vida do líder tibetano de um lado, e suas dificuldades de outro, é essencialmente exterior. Quero ver minha próxima, essa senhora sentada e abatida, viver a vida inteira com um baixo salário e condições de trabalho irrealizadoras, e ainda manter um modo de vida perpetuamente feliz devido a essas próprias condições. As próprias condições impedem que seu modo de vida seja separado das circunstâncias que a afastam de si mesma. Essas condições fazem-na irrealizar a própria vida, a ponto de comprar um livro do Dalai Lama.

O caso do Dalai Lama é diferente: ele não deixa de ser ele mesmo, quando sai do Tibet. Na Índia, vive uma vida de monge, em um templo budista, sob uma rotina monástica, com rituais monásticos diários, que implicam diretamente as maneiras desse monge levar sua vida. Comparar o Dalai Lama com a leitora ao meu lado , isto é, colocá-los em um mesmo plano de comparação, significaria fazer com que o líder tibetano deixe de ser monge, comece a viver a contra-gosto uma rotina totalmente alheia ao monastério, e ainda assim se desafie a ser monge apenas em pensamento. Isso, sabendo que a própria rotina impediria o monge de pensar a todo momento que é um monge. Em suma, um modo de vida irreal, sob condições bem reais que afastam a possibilidade desse próprio modo de vida.

Existe o argumento de que uma vida mental pode ser dissociada da vida do corpo, material. Um apertador de parafusos pode atingir o nirvana. Mas imaginemos também que tipo de resultados efetivos uma vida assim produz. Ou também o uso de tais idéias no cortador de cana estafado… O objetivo da arte da felicidade era cultivar modos de vida felizes ou apenas pensamentos de felicidade?

Anúncios

6 comentários sobre “A arte da felicidade no trabalho

  1. Um dos maiores problemas da literatura de auto ajuda é que ela vende uma ideia de que é fácil fazer, e que você é o culpado por toda a sua infelicidade. Se não der certo de você conseguir atingir seus objetivos depois de ler o dito livro, a culpa é sua, afinal, você é um incompetente, afinal mudar é tão fácil… e por ai vai…

    beijos

    ps.: esse fds vi um show do Carlos Careqa, no Londrix e ele cantou a música do video que vc postou aqui há algum tempo… bjo

  2. Meu caro, comecei a escrever algo por aqui, mas a conversa começou a crescer e resolvi escrever “lá em casa” algo que suponho que dialogue com as tuas próprias reflexões. A culpa é tua, claro, por isso deixo registrado em ata. 😛
    Abração

    RE: Salve Ricardo!
    Então, tentei comentar lá no teu blog, mas ele apenas aceita comentário com conta google. O que eu queria dizer é como o teu texto parece com os versos de Antonio Machado: “Caminante, no hay camino, se hace camino al andar”…
    abração!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s