Debret e o Brasil

Este é o primeiro catálogo raisonné da obra brasileira de Jean-Baptiste Debret, o mais famoso artista estrangeiro a pintar o Brasil no século XIX. Com 708 páginas e mais de 1.300 imagens, este volume ilustra a totalidade dos trabalhos do artista, que os autores conseguiram identificar e descrever como resultado de uma longa pesquisa. As centenas de óleos, aquarelas, desenhos e gravuras, produzidas por Debret nos quinze anos passados no Brasil (1816-1831), estão reunidos neste volume, para permitir uma visão completa da obra do pintor. São mais de 200 obras inéditas, e quase todas as imagens estão reproduzidas em tamanho maior que em qualquer outra publicação sobre Debret. Só se conheciam até hoje nove quadros a óleo pintados pelo artista francês no Brasil, e este volume revela seis novas pinturas descobertas recentemente pelos autores. O livro apresenta também 87 obras cuja atribuição a Debret foi rejeitada ou questionada pelo comitê de autenticação formado para este livro.
O preço? Sugerido na cultura, 195,00. Ou pesquisa aqui. Dica do Pedo Doria.
 
Pelo custo, talvez um livro um pouco mais difícil de obter que o do Sr. PK… 
 
Mais Debret, aqui.
Anúncios

2 comentários sobre “Debret e o Brasil

  1. Caro Catatau, já havia sido editado anteriormente um volumoso compêndio sobre a obra de Debret, com vasta ilustração, pela extinta editora Itatiaia (consta que se tornou a não tão boa Record). Esse era uma série de quatro volumes que foi vendida em capa-dura com estojo protetor e tudo nos idos de 1980.
    Uma característica não muito louvável do mercado editorial atualmente, e que os cadernos de cultura acompanham sem o menor senso crítico é o de anunciar como “primeira tradução” ou “primeiro estudo sobre” essa ou aquela obra, ignorando trabalhos anteriores. Há casos em que a tradução só é novidade em português falado no Brasil, mas cuja tradução, em português de Portugal, já era disponível nesse lado do oceano. É bom estar atento a isso.
    Eu tive em mãos essa edição da Itatiaia e não era de se jogar fora, como sou livreiro, vendi-a, não sem antes dar uma expiadela, claro.

  2. Então, Fred, acho que já tive contato muito provavelmente com essa edição. Só pude namorá-la em um sebo.

    Achei interessante a descrição dessa nova edição, sobre trabalhos inéditos, tamanho da imagem, e reunião em 1 só livro. Seria ela melhor que a da Itatiaia? Uma boa pergunta, de fato

    abração,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s