A Culpa é da Filosofia

Photobucket

Uma grande catedrática, de certa ciência humana bem exata, começa seu artigo:

"A Disciplina X se iniciou quando diversos xizólogos, em uma década do século XX, começaram a se articular em torno do problema X.  O primeiro a enunciá-lo foi Charles Xeese, em seu famoso texto fundador. Como já enunciava Xeese (19X0), o problema X não é um problema, e sim o problema de que tudo se resume ao problema, e não à prevenção. Assim, em torno da prevenção, que é o problema, o Instituto Nacional dos Xizólogos organizou uma comissão informal, depois tornada braço formal do Instituto, para elaborar novos caminhos de estudo e intervenção.

"Segundo a Organização Mundial da Xaúde, X significa o problema da prevenção xizonal relativo à xizologia.

"Entretanto, a área de atuação da Disciplina X está ainda em seus momentos de pioneirismo. Disciplina inter, ou até transdisciplinar que é (ela reune todas as ciências, físicas, químicas, biológicas, psicológicas, sociológicas e doxológicas), a Disciplina X busca agora integrar as diversas áreas de conhecimento para a formação de uma prática coesa.

"Há ainda muito a fazer. Essa ausência de definição do que vem a ser a Disciplina X é mais um efeito histórico, encontrado nos diferentes zeith geist (sic) da Xizologia.  Os espíritos das diferentes épocas rechearam, muitas vezes, a Xizologia de preconceitos. Veja-se, por exemplo, o nascimento de nossa Xizologia datar do século XIX. Apesar de grandes evoluções do conhecimento ocorridas então, e ainda atuais, o século XIX era machista, considerava a mulher como um ser inferior.

"Por isso a Disciplina X, apesar de ser uma das áreas mais modernas da Xizologia, enfrenta ainda conflitos teóricos das mais diversas ordens. Esse excesso de teoria (não seriam resquícios de filosofia?) ainda atrapalha a correta enunciação do problema X, quando livre de teorias e preconceitos será aquilo que já é, não sendo: uma ciência experimental, transparente aos fatos."

Peraí, minha filha: quer dizer que um dia um grupo de pessoas enxerga um problema, decide construir uma disciplina, postula de saída que essa disciplina é uma ciência, cata uma noção jurídica para unificar seu caráter científico, e depois diz que sua falta de definição e cientificidade é um problema de preconceitos históricos e "teóricos"? emoticon

***

Aliás, como discutíamos lá nos jurássicos idos de 2007, é muito curioso notar quando a teoria na prática "é outra", e quando "não é". Em um antigo texto, Marcio Pimenta se queixava a respeito de como seus colegas economistas eram "teóricos" demais, não conheciam a "realidade".

Mas "teoria" e "realidade", para os economistas, tem uma conotação totalmente diferente do texto acima, da catedrática. A queixa do Pimenta era bem precisa: economista teórico é o economista formado conforme as exigências do mercado. E o que o economista aprende sobre o "mercado" e a "teoria" não corresponde à realidade prática, pois esta contém problemas concretos não previstos pelas exigências mercadológicas. Pobreza e problemas sociais, por exemplo.

Situação totalmente oposta à da catedrática acima: mais do que glorificar a teoria (como o mainstream econômico denunciado por Pimenta), ela a denuncia, define-a como "preconceituosa", fruto das contingências históricas. Logo, a teoria deve ser descartada em nome de uma prática tão transparente a ponto de afastar todos os pre-conceitos (mesmo que nunca se coloque em questão se a própria prática é preconceituosa). 

No caso do problema evocado por Pimenta, a teoria é perfeitamente valorizada e aplicável quando conforme ao mercado, não importando suas consequências efetivas. Já no caso da catedrática, a teoria não pode ser aplicável, pois se é aplicável não é teoria. Para os economistas, a teoria é positiva, conforme às exigências do mercado; para os xizólogos, negativa. Mesmo se o pressuposto "se é aplicável não é teoria" for uma baita teoria.

Em outras palavras: algo parece dizer que, nos dois contextos, não é a aplicabilidade de uma teoria o fator responsável por medir seu valor.

Anúncios

3 comentários em “A Culpa é da Filosofia

  1. Ironia do destino: o anúncio Google abaixo do texto diz: “conheça a logosofia”, esse ramo científico tão vítima de preconceitos da comunidade dos sabichões…

    Foi de propósito? =)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s