A era “pós-teórica”

Na era da informação, muitos asseguram que as "teorias" se "dissolvem".

Ontem Fabiano Angelico, do Transparencia Brasil, vinculou um interessante texto sobre como nossa época se definiria pelo abandono das "teorias" em nome de um caráter imediato e imperativo da "prática" (como se isso não fosse uma baita teoria), dado vivermos na era da informação e a teoria ser um índice de ausência de informação:

In the absence of data, you theorise. In an abundance, you just need to do the maths. And, because of all those super-efficient search engines, we share more and more data. Data dissolves ideology.

Two further books exemplify this: David MacKay’s Sustainable Energy—Without the Hot Air and Stewart Brand’s Whole Earth Discipline are rigorous responses to the challenge of climate change. Both work from data rather than theory, and offer systems of management rather than ideologies. Both are number-rich and theory-light, and urge action—now. In MacKay’s words: “We have to stop saying ‘No’ and start saying ‘Yes’.” In Brand’s: “We are as gods and have to get good at it.” [Brian Eno, The Post-Theoretical Age]

Esqueçamos a denúncia das ideologias, as tentativas de diagnóstico, as abstrações. A informação está toda ela aí, não há ocultação ou privilégio, e sim excesso. Por isso ela "dissolve a ideologia". A tarefa, portanto,  não é mais "teórica" ou "ideológica", não é mais uma tentativa de olhar através dos acontecimentos para tentar decifrar sua trama, mas sim organizá-los segundo suas regularidades. Não há mais "opacidade" e um olhar tentando transpassá-la, não há mais necessidade disso; agora, tudo seria "transparente". Não perguntemos mais como a vida deve ser ou não vivida, basta geri-la.

Isso é interessantíssimo. Pois, dentro de tantas modas de inserir a pequena palavrinha "pós" antes de quase tudo, talvez Eno encontrou uma palavra finalmente apropriada: era "pós-teórica". 

Da linguagem corporativa ao marketing e às relações cotidianas, enfim até no ensino, tudo repete o imperativo: Just do it. Just Go. Nem os movimentos "teóricos" do século XX, denunciando uma crescente tecnização do homem, foram suficientes para conter o tal imperativo (que o leitor desculpe nosso pequeno deslize teorizante nesta frase, prometemos que foi somente essa!).

Imperativo tornado tão evidente, tão óbvio, que olha ele expresso por um grande player em pleno governo George W Bush, diagnosticando – ops, quer dizer, prescrevendo – toda a nossa época, em um clássico artigo publicado no NYT em 2004:

The aide said that guys like me were "in what we call the reality-based community," which he defined as people who "believe that solutions emerge from your judicious study of discernible reality." … "That’s not the way the world really works anymore," he continued. "We’re an empire now, and when we act, we create our own reality. And while you’re studying that reality—judiciously, as you will—we’ll act again, creating other new realities, which you can study too, and that’s how things will sort out. We’re history’s actors…and you, all of you, will be left to just study what we do."

"O mundo não funciona mais assim. Somos um império agora, e quando agimos, criamos nossa própria realidade. E enquanto vocês estudam essa realidade – judiciosamente, como queiram -, agimos novamente, criando outras novas realidades, que vocês podem estudar também, e aí está como as coisas serão. Somos os atores da história… e vocês, todos vocês, apenas ficarão estudando o que nós fazemos".

Anúncios

2 comentários sobre “A era “pós-teórica”

  1. Também acho que a era “pós-teórica” é apenas uma teoria.

    Talvez nem chegue a tanto.

    Aliás, parece que essa já era a intenção de Francis Bacon, pouco depois do “descobrimento” do Brasil – abandonar todas as teorias e partir sempre para as experimentações.

    RE: Olá!
    Será que as intenções são as mesmas, em Bacon e hoje?

  2. Creio que alguns estudiosos confundem teoria com erudição livresca.

    Teoria nada mais é que a representação linguística de uma experiência realizada e que pode ser repetida sempre.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s