A escrita e a ignorância

"Ao escrevermos, como evitar que escrevamos sobre aquilo que não sabemos ou que sabemos mal? É necessariamente neste ponto que imaginamos ter algo a dizer. Só escrevemos na extremidade de nosso próprio saber, nesta ponta extrema que separa nosso saber e nossa ignorância e que transforma um no outro. É só deste modo que somos determinados a escrever. Suprir a ignorância é transferir a escrita para depois ou, antes, torná-la impossível. Talvez tenhamos aí, entre a escrita e a ignorância, uma relação ainda mais ameaçadora que a relação apontada entre a escrita e a morte, entre a escrita e o silêncio. (Gilles Deleuze)

Anúncios

7 comentários sobre “A escrita e a ignorância

  1. Deleuze é realmente fabuloso, tais extremidades apontam para o vazio e a sensação desta dimensão é que torna possivel a escrita. Fazendo da escrita um fragmento daquilo que supomos saber e da ignorância muito mais do que podemos sustentar.

  2. Quem saberá? Se um fragmento do que sabemos puder deliberar certa habilidade na ignorância? Li o pensamento de Deleuze (que não conhecia) e lembrei-me do “saber que não se sabe” da Maud Mannoni. É o madrugar e as suas persistências… Entretanto, ainda penso que a dimensão do vazio é o que faz suportar a dor do silêncio e da morte, e a escrita sustentando tais implicações. É a cara do Deleuze isto… principalmente no final de seu pensamento

  3. Agora vou lhe falar uma coisa: eu tenho um péssimo hábito de mudar quando sou acometido pelo sentimento da admiração. E você eu admiro de verdade… e isto é perigo iminente! Posso facilmente mudar rapidinho.

    RE: Se o perigo é iminente, não há o que fazer!
    Mas é como na citação acima: só há espaço para um lugar comum fora da admiração e do desprezo (um pouquinho da noção de “fora” passa por aqui) – um não é o inverso e o simétrico do outro?

    😉

  4. fora o lugar comum ainda continuo preferindo a dimensão do incomum. Quanto ao perigo é a sua prescindência que me aproxima das idéias suas. Não tenho escolha em relação aos “nãos” , mas garanto que se há uma moderação ou consenso perco completamente a inspiração.

    RE:
    “Amizade sem divisão e sem reciprocidade, amizade para o que passa sem deixar rastro, resposta da passividade à não-presença do desconhecido (…). A amizade não é um dom nem uma promessa, a generosidade genérica. Relação incomensurável de um para o outro; ela está relacionada com o de-fora na sua ruptura e na sua inacessibilidade. O desejo puro impuro e o apelo, a superar a distância, o apelo a morrer em comum pela separação.” (Maurice Blanchot)

    😉

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s