A instrumentalização eleitoreira do discurso religioso

Muita gente caiu no conto da religiosidade nessas eleições. Ou pior, no conto de certos preconceitos morais de algumas religiões., esquecendo das… eleições (a César o que é de César?).

Em vários falatórios da Rede que ficarão para a história do esquecimento, pessoas defendiam, por exemplo, a tese de não votar em Dilma para preservar os propósitos sacros da "Terra de Santa Cruz" (sic!).

"Terra de Santa Cruz" é um dos nomes originários do Brasil, todo mundo sabe disso. Mas curiosamente, quem disse a idéia acima não leu livros de história. Por exemplo, no primeiro livro de história tupiniquim, História da Província de Santa Cruz, a que vulgarmente chamamos de Brasil, Pero de Magalhães Gândavo reprovava os europeus que chegavam aqui simplesmente com propósitos mercantis, portanto profanos. Talvez a usura ainda era pecado na época. Ao invés de "Santa Cruz", esses europeus chamavam este lugar de "Brasil", nome comercial devido ao principal material de exportação. Qual nome pegou?

Imensa ironia, caso consideremos os principais motes do governo FHC (e também de Serra): privatizações, corte de gastos,  Estado radicalmente mínimo, primado incontestável do mercado… Um liberalismo teórico e abstrato regado a condições e práticas concretas avassaladoramente desiguais. Se votar no PT significa para aqueles religiosos condenar a "Terra de Santa Cruz", qual seria então o significado de votar em Serra?

Ou senão, veio a questão do aborto. Dilma, "a favor de matar  criancinhas", segundo Monica Serra. A temível mulher de duas caras, conforme a revista Veja. A mulher mentirosa, a favor do aborto um dia mas contra ele ao sabor das circunstâncias, tudo para pedir voto. Vídeos ainda disponíveis no Youtube não desmentiriam nada disso.

Basta ver o debate da Band e os vídeos para constatar que não era bem assim. Dilma sempre se posicionou contra o aborto, mas a favor de sua descriminalização sob uma série de circunstâncias precisas: a existência massiva de abortos ilegais e ao mesmo tempo a desigualdade abissal entre abortos feitos por pobres e ricos. A pobretona corre risco de morte ou de cadeia; a rica vai depois para o spa, se quiser – mas sem maiores consequências.

E Serra? Para o religioso crente de que o aborto é inadmissível, ele bem regulamentou as práticas de aborto no Brasil… Até estourar a notícia de que Mônica Serra, a mesma que acusava Dilma de defender a matança de "criancinhas", também abortou.

Pintou-se portanto uma candidata do PT nociva em todos os sentidos à religiosidade. Por exemplo, para o cristão que não gosta de Edir Macedo, ora bolas, ele "apoia" Dilma! Na verdade, nada no vídeo diz sobre seu apoio ou não. Mas – sublime lógica – se defende o aborto, logo é pró-Dilma, certo?

E invertamos os termos: para quem gosta de Edir Macedo, Dilma já saiu até em cerimônia de candomblé. Num país conhecido pela tolerância e a convivência – até mesmo sincrética – das religiões, as estratégias de campanha do PSDB investem no que o homem tem de pior: seu ódio, bastando escolher o tema (Diego Viana escreveu um belo texto sobre como infelizmente o debate brasileiro se reduz aos fígados).

Ok, isso deve demonstrar então que Serra é o verdadeiro arauto do cristianismo, certo? Cruzado moderno, bem distribuiu santinhos iguais aos acima, sem economizar pronunciamentos do Santo Nome.

Hoje o Jornal Nacional mostrou o mesmo Serra em Canindé, no interior do Ceará, participando da maior romaria do Brasil dedicada a São Francisco. Elogioso como sempre, o jornal investiu nas falas do candidato sobre agricultura familiar e um 13º salário para o Bolsa Família.

O jornal só esqueceu de comentar sobre o padre. Em tal romaria dedicada a tal santo, o padre reprovou  certos presentes (quem será?) publicamente pelo uso político da religião: "Acusam a candidata do PT em nome da igreja. Não é verdade", disse o frade. Tasso Jereissati interviu contra o padre acusando-o de petista. Logo após armou-se grande confusão.

O padre? saiu da Igreja protegido por seguranças.

Anúncios

3 comentários sobre “A instrumentalização eleitoreira do discurso religioso

  1. Esse segundo turno está me dando nojo, tamanho o nivelamento raso das discussões.

    Ironia também é o PT ter surgido (lá em suas sinceras origens)com a participação direta de parte da Igreja Católica (a parte boa), ligada aos movimentos sociais e pastorais afins. E hoje o PT ser alvo de boa parte da Igreja…

  2. Se o pastor Malafaia colocasse um bigodinho, com seus discrusos inflamados, seria um bom parceiro de Hitler.

    Sua técnica oratória é claramente influenciada por Hitler!

    E ele diz cristalinamente: “Se alguém planta mamão, é porque quer colher mamão. Se alguém paga dízimos, é porque quer obter, de Deus, benefícios materiais”.

    É aquela história dos neoliberais de que “não há refeição de graça”.

    Para andar nas estradas do Serra, paga-se altos analtos pedágios!

    Para seguir os caminhos do Malafaia, paga-se altos dízimos!

    Nunca a provérbio popular foi mesma verdadeiro”

    “Foi juntada a fome com a vontade de comer””

  3. Segundo turno raso é apelido. Mas vê-se pelos comentários e pelo próprio texto que algumas mitos persistem, apesar dos tempos. O que é neo-liberal? Por que ser contra a privatização? Afinal, que tipo de estado se quer ter?

    Os que se opoẽm a privatização o fazem por quê? Vivemos em um país que tanto o estado quanto a iniciativa privada têm os piores vícios. Mas o que falta, em verdade, é um judiciário isento que corrija estas mazelas. Aí, mais uma vez, temos uma falha gritante, pois a maioria do judiciário esta a serviço de alguns destes dois grupos. Não sou a favor do estado mínimo nem da participação da iniciativa privada em tudo que cabe ao estado, mas no equilíbrio destas duas formas de administração, balizadas pela lei, em favor da sociedade.

    Polarizar as coisas, como esta sendo este segundo turno, não levar a lugar algum. Continuamos chafurdando na lama e sem um candidato de convicção. Os que estão por aí são apenas fantoches.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s