O Cordel e seus encantamentos

Nos últimos dias a Globo tentou dar alguns lances de cordel nordestino.

O desfecho de "Cordel do Fogo Encantado", última novela da Globo, foi muito interessante. Não propriamente a respeito de algum mérito narrativo ou artístico, mas sim nesse aspecto cotidiano e um pouco monótono da tradição das novelas brasileiras e seus encantamentos enviados ao povo.

A novela é sobre um cordel e encerrou com diversos cordelistas consagrados do nordeste, declamando algo parecido com o enredo dos últimos meses (o que é um belo gesto e quase lembrou da época em que havia algum esforço por adaptação, digamos, mais fiel a obras do que a audiências, como em O tempo e o vento). Mas antes disso, a última cena foi digna de atenção. Os mocinhos da novela – um grupo de amigos e parentes – certamente passou os mesmos últimos meses brigando com um coronel, que desapareceu ou foi morto (provavelmente nos capítulos finais).

O coronel devia ser realmente ruim. Tão ruim que, mesmo depois de morto, conseguiu não deixar os mocinhos em paz. No último lance eles seguem à fazenda desocupada do coronel, quando encontram um mancebo mal encarado. Ele apresenta documentos comprovando a posse da terra e manda todos embora. Então, junto com o personagem de Mateus Nachtergaele, os mocinhos comentam (parafraseio): "vamos embora, não temos o que fazer aqui. O mal sempre retorna, não importa o que se faça. Mas o importante é que somos um grupo e temos um ao outro".

Vale repetir: as injustiças vêm e vão, mas… somos felizes e nossa ação importa na medida e na proporção mesma em que "temos um ao outro".

Não muito longe do assunto, ontem o "Fantástico" apresentou outro tema de cordel: um velho Sr. possui mais de 50 filhos, isso sem considerar os "não contabilizados" espalhados pelo mundão. Como conseguiu? Revezando esposa e cunhada (quando não a sogra). Alguns comentadores então disseram: é a "sociedade coronelista", "machista" etc.. Ele mesmo tinha a resposta na ponta da língua: não fiz com ninguém que não quis.

 

Vale mencionar outro caso, também reduzido ao puro conteúdo individual, passional (candidato a um cordel?): uma amante manda matar a esposa e oferece mil reais. Recordando que era amigo de infância da mulher, o assassino decide simular sua morte, afinal não é sempre que se ganha 1000 reais, certo? Ele tira uma foto da mulher cheia de Ketchup com uma faca junto ao braço. Foto feita, valeu o prêmio. Dias depois a "morta" reaparece ao lado do marido, criando o maior escândalo. O caso renderia prisões ou maiores consequências? Conforme o delegado, não passou de um lance de humor pastelão. Afinal, valeu a sorte: a possível vítima era amiga de infância do assassino – este, o verdadeiro dono do destino da estória. Ufa!

Entre os amigos que enfim "têm um ao outro", as famílias criadas ao bel querer de certos caprichos e o destino individual controlado por assassinos de mil reais, não seria inútil lembrar de Lampião. Mesmo vivendo no mesmo universo acima, outra é a narrativa sobre ele. Cada cordel tem seu "encantamento", mas outro é o poder de simpatia de Virgulino. Os cordéis não contam suas presepadas, mas suas peripécias. O estatuto de seus atos e o próprio raio de ação são diferentes e contam outras virtualidades. Diante de sua peixeira teme o coroné, o policial, o patriarca, o assassino… e até o diabo:

 Lampião disse: vá logo
quem conversa perde hora
vá depressa e volte já
eu quero pouca demora
se não me derem ingresso
eu viro tudo as avesso
toco fogo e vou embora.

O vigia foi e disse
a Satanás no salão:
saiba vossa senhoria
que aí chegou Lampião
dizendo que quer entrar
e eu vim lhe perguntar
se dou-lhe ingresso ou não.

– Não senhor, Satanás disse
vá dizer que vá embora
só me chega gente ruim
eu ando muito caipora!
eu já estou com vontade
de botar mais da metade
dos que tem aqui pra fora.

– Lampião é um bandido
ladrão da honestidade
só vem desmoralizar
a nossa propriedade
e eu não vou procurar
sarna pra me coçar
sem haver necessidade.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s