O lado de cá da violência

Dias atrás publicamos um texto no qual comentávamos sobre a popularização recente de um tipo de experimento curioso: aquele no qual alguém deve “escolher” ou não pela morte de uma ou mais pessoas para salvar a vida de outras pessoas. Experimentos como o do “trem” (the trolley problem) e suas inúmeras variantes, tal como abaixo:

Na ocasião, comentávamos que o curioso nisso tudo não é a existência desse tipo de dilema, mas a facilidade, ou frequência, ou mesmo despudor, com os quais ele tem sido enunciado nos últimos tempos. Não se trata mais apenas, como ocorria após 11 de setembro, do dilema da “liberdade versus segurança”, mas sim a negociação de vidas ou de sofrimento em troca de outras vidas ou sofrimentos, tudo sob a alçada da decisão de alguém – e alguém com a capacidade de instrumentalizar a morte ou o sofrimento alheio.

Vale repetir: será que alguém compreendeu o que está em jogo? Para o homem comum, há tempos o matar não se coloca mais como tabu ou para além do limite do razoável. E não falo do velho chavão “bandido bom é bandido morto”, aquele tipo de bordão irrefletido que alguém esbraveja sem saber bem o que pensa. De algum modo, a questão saiu do simples ódio, do bordão, ou ainda, dos limites exteriores do racional, para ser colocada sob o mérito do pensavel, do calculável, do como vamos ou poderíamos fazer para…

As pessoas estão voltando a dizer (e não apenas esbravejar) que, em determinadas circunstâncias calculadas, é razoável matar.

Ou senão, basta ver a proliferação de memes dos últimos dias em torno dos acontecimentos de Charlottesville, nos EUA. De um lado, inúmeros vídeos sobre desfiles de milicianos racistas ou neonazistas com fuzis, como que preparados para a guerra, embora estivessem no que alegaram ser em tese uma passeata. E esse é exatamente o ponto: há quem julgue que uma passeata se faça com fuzis…

De outro lado, após esses acontecimentos que deveriam estar para lá da linha do aceitável, começaram a proliferar, como especies de modelos de ação, imagens de filmes como Bastardos Inglórios, no qual os personagens de Tarantino caçam nazistas sob regras não convencionais”.

O recado está claro: se abriram a porta para a violência, é com violência que a questão será resolvida.

Liberdade de expressão?

https://img.buzzfeed.com/buzzfeed-static/static/2017-08/12/20/asset/buzzfeed-prod-fastlane-03/sub-buzz-29005-1502583569-1.png?downsize=715:*&output-format=auto&output-quality=auto

Chegaram a circular imagens de policiais negros protegendo as passeatas dos supremacistas brancos (embora algumas se atribuam a outros eventos). Para alguns, tudo se passa como se alguns indivíduos quisessem se expressar, tendo assim seu direito garantido. Símbolo da liberdade de expressão, certo?

Nada mais errado. Inclusive é surpreendente que alguém precise explicar isso (o que também diz do estado em que estamos). Chega a ser estranho precisar dizer que termos como “liberdade” e “expressão” implicam a existência de uma sociedade civil e, nela, existe a regra incontornável de que o outro deve ser parceiro de debate.

Isso significa que um debate que pregue a inexistência de meu debatedor por meios violentos não é, simplesmente, um debate, mas a admissão de que os princípios da própria sociedade civil em que resido precisam ser negados. Passeatas como a de Charlottesville não são direitos democráticos ou civis porque, simplesmente, numa sociedade civil não se pode ferir o direito de civilidade.

Simplesmente não há qualquer idéia de democracia quando se pretende sustentar publicamente a não existência do alheio. Não é, simplesmente, um debate, mas a negação da possibilidade de que ocorra um debate.

Perigosamente, entramos nessa seara. Apesar de termos visto tanta coisa no passado. Surpreendente, esse esquecimento.

Anúncios

O drama dos professores

É até um pouco irônico, mas aquele poema de Brecht, tão louvado por uns e condenado por outros, nunca pareceu tão atual. Ou senão, vale dar uma olhada no que se passa com os professores hoje.

Posso dizer, inclusive, hoje. Em Curitiba, um forte policiamento evita manifestações de funcionários públicos e professores de ensino básico – aqueles perigosos elementos que o brasileiro acostumou a chamar de “as tias da escola”, pois não aprendeu a respeitar seus professores porque não respeita a si próprio.

Há agressões. Estão batendo nas “tias da escola”. O prefeito atual, Rafael Greca, repete o velho rito: travestido de iniciativa de “gestão”, tenta passar seu péssimo planejamento com uma série de atalhos, que envolvem a não contratação de novos professores, o adiamento “legal” dos reajustes salariais conforme a lei, a interferência nas aposentadorias, a não liberação de licenças-prêmio e o cancelamento da confecção do plano de carreira dos professores (que ainda não existe!).

Para passar tudo na marra, os vereadores ameaçam fazer suas coisas transportados em camburão.

Legal isso, não? O tão orgulhoso cidadão da “República de Curitiba”, seguindo tão calado diante do fato de que seus professores serão menos qualificados – pois a profissão deixa cada vez mais de ser atrativa – e, assim, os filhos dos curitibanos ficarão mais burros. Se bem que… algo há para se entender nessa equação.

E para continuar falando de hoje. No mesmo Paraná, professores da Facel (uma “Facú” particular, dizem assim no Paraná) entraram em greve porque não recebem seus salários. A notícia parece clara: a preocupação é de que os alunos não percam “qualidade” do ensino. Será preciso juntar lê com crê e dizer que não há qualidade num ensino que não respeita o professor?

No RJ, a UENF agoniza porque não consegue repor funcionários e não possui autonomia de gestão (veja o quanto faz falta a boa educação: o repórter da Globo escreve na manchete “Heitor da UENF”, e não “Reitor”). A UENF não recebe verbas corretamente desde 2015, atrasa salários e corta bolsas de pesquisa e demais atividades dos alunos. E nem vou falar da UERJ.

Voltando ao Paraná, as universidades estaduais também agonizam. O ensino de base também.

Incrível como o brasileiro está anestesiado. Levou uma pancada na cabeça. Só pode ser. É como faz com seus professores.

Entre o bico de professor e o de garçom…

A imagem acima é do ano passado. Muitos dizem que foi exagerada. Mas e o que dizer disso, por exemplo? Breve citação:

ficar abaixo desse nível significa que os alunos não são capazes de enfrentar situações financeiras diárias para poder tomar decisões – como reconhecer o simples montante de um orçamento ou saber, em função do preço, se é melhor comprar tomates por quilo ou por caixa. De acordo com o estudo, 53% dos alunos brasileiros na faixa de 15 anos ficaram abaixo do nível de conhecimentos financeiros mínimos.

Em relação aos professores, alguém poderia lembrar que a Reforma Trabalhista, com as terceirizações e o trabalho intermitente, cria condições de interpretação perigosa. A Reforma da Previdência estabelece maior tempo de trabalho para a aposentadoria. E os índices de procura nas licenciaturas mostram que a procura para a profissão de professor tem reduzido drasticamente.

Quanto ao dado da OCDE, permite dizer:  já não dá mais nem pra ser garçom.

Blogs e redes sociais

Dias atrás, recebi um comentário revelador: no Facebook, não escolhemos o que podemos ver. Essa tese é incrível: a tese de que escolhemos, sim, o que queremos ver, não é precisamente a tese das “redes sociais”?

Isso foi muito usado contra os blogs. De alguns anos para cá, os links foram trocados pelos “follow” e aplicativos. As tecnologias de RSS, que peneiravam a informação ao gosto do freguês (se você não conhece, vale se informar), deram lugar ao Twitter, ao Facebook etc..

Para mim, foi revelador o comentário do “não escolhemos”, quando na vez seguinte, abri meu Facebook e constatei algo que muita gente comenta há muito tempo: e não é que o Facebook é um verdadeiro esgoto, repleto de gatinhos fofinhos e pessoas cheias de verniz, de um lado, e de outro o mais puro ódio escoado em indiretas e palavras de condenação? Entre um e outro, aparecem alguns factóides e… até links e notícias interessantes. Mas não sai a aparência de uma enxurrada de coisas passando, como numa enchente levando tudo (o Facebook e o Twitter não tem memória e histórico, aliás).

De fato, não escolho o que vejo no Facebook. É como se eu regredisse na “evolução” da internet.

Os blogs, por exemplo: antes das redes sociais, formavam por si próprios espécies de “redes”, só que sem o “follow”. O link capitaneava tudo. Sempre houve pontos focais e autores transformados em autoridades, mas o que sempre mediou tudo foi o assunto.

Com as redes sociais, algo mudou: pode ser até que pessoas se concentrem em nichos específicos de assuntos, mas via de regra você não segue mais assuntos, e sim pessoas. Disso se segue tudo o mais: por simpatia à pessoa, e não ao assunto, somos bombardeados por toda sorte de questão de aprazimento (não de gosto), entre gatinhos, pessoas bonitas, condenações de pobre e hails a políticos fascistas. Se em alguns momentos as redes mostraram interessantes articulações (como na Primavera Árabe), em boa parte do resto se mostraram incrivelmente reacionárias e fascistas.

Deixo meu ponto mais claro: não se trata aqui de uma diferença de escolha, mas de plataforma. A escolha da plataforma define todo o resto, se um amontoado de ressentimentos, ou se uma autonomia maior para dialogar assuntos. Vale, sobre isso, dar uma olhadinha em assuntos como esse.

Outra diferença: os comentários. Pela presunção do “você tem sua opinião, eu tenho a minha“, isto é, do respeito auto-inibidor, toda sorte de lixo é propagada nas redes sociais, sem qualquer possibilidade de comentário. Afinal, o comentário afeta a pessoa, e não o assunto (ou, via de regra, é isso que ocorre). Mas aceitar uma opinião lixo – que muitas vezes ofende ou abre espaço para a ofensa de outras pessoas, como o apoio a políticos fascistas – não é respeito, é a negação da possibilidade de respeitar. É, portanto, a negação do “social” no nome “redes sociais”.

E o mais curioso: o “eu tenho minha opinião, você tem a sua” acaba com a própria comunicação social, na rede social. Ou as caixas ficam vazias, ou se perde a oportunidade de fazer o que se faz na vida real, isto é, de conversar ao vivo, o que é muito mais gostoso. Por pretexto de trocas, redes sociais muitas vezes deixam de trocar.

Quanto aos blogs, é óbvio que já existiam blogs e assuntos reaças. Mas o foco no assunto afastava a hipótese do “respeito auto-inibidor”.  Por isso, ponto novamente para os blogs, pois neles as pessoas tinham algum horizonte de escolha sobre o que ler e como acessar.

Inclusive, vocês não têm idéia sobre o quanto os blogs proporcionavam bons encontros e amizades 😉

Não é mais normal ser professor #naoenormal

Na mesma noite, recebo dois posts: o primeiro, acusando a universidade pública em geral de “causar depressão” nos estudantes. O segundo, informando que professores “dizem sofrer” (com dois verbos, assim mesmo) censura de simpatizantes do Escola Sem Partido.

A sincronicidade é incrível.

É certo que a educação, do básico ao superior, mudou muito nos últimos anos. Mas é absolutamente surpreendente o fenômeno: onde a educação diz rigor, qualidade, reflexão, à direita acusam de doutrinação, e à esquerda acusam de tradicionalismo.

É certo que as universidades públicas ainda carregam ranços de tradicionalismo. E por isso o vídeo acima quer dizer: há professores de gerações antigas que são insensíveis a questões pedagógicas mais construtivas e utilizam sua autoridade para negar cidadania aos alunos no mundo do Saber; há igualmente certo lobby de produtivismo, mais recente, que fica intolerante às questões pessoais.

Isso está completamente certo.  Mas é inteiramente errado quando pretende generalizar. E é míope também.

Para começar o assunto, as universidades não são mais as mesmas. As públicas, que sempre tiveram pesquisa e extensão, não ditam mais as regras. Os professores cada vez mais perdem direitos e espaço que não seja o de sala de aula. Aula está se tornando a finalidade última da universidade, que está perdendo a dignidade do nome de “universidade”. Proliferam os vínculos horistas, que dispensam pesquisa. E o lobby das privadas achata, cada vez mais, o ensino num didatismo forçado, que para dar justo nome à coisa não passaria de uma forçada facilitação.

É incrível o número de professores que adoecem com isso, ou precisam não mostrar que adoecem sob a pena de perderem o emprego.

Sob pretexto de “não afetar os alunos”, as Unidunitês por aí fazem para suas avaliações bancos de questões baseadas em manuais ultrapassados (quando não, apostilas facilitantes), ou permitem sistemas de avaliações cuja única função é a de existir para dizer que algo foi feito. Muitas vezes isso tudo é coordenado por quem não tem olho na pedagogia, mas no bolso. Alunos de exatas não aprendem a calcular e de humanas não aprendem a ler. As questões analíticas são negligenciadas em nome de uma instrução programada, para não causar dificuldade ou sofrimento.

Não bastasse isso, o aluno que entra em universidade não tem formação suficiente. A coisa já vem da base. O professor é muitas vezes constrangido a fazer milagres, pois o comportamento do aluno também mudou muito. Ele não mais se dedica a fazer o mínimo. Há 20 anos existia certo pacto de mediocridade, no qual os alunos ao menos faziam o mínimo. O pacto de hoje é de não fazer nada: aprovação automática. E o professor, além do mais, precisa contemplar índices de produtividade, quer dizer, de aprovação.

O dilema é cruel: Reprovar significa demitir, aprovar significa ser desonesto e, em qualquer das duas hipóteses, o professor será visto como mal professor, sem ética, caráter ou didática. Não há para onde correr, pois a linguagem de fundo é a do dinheiro, não a pedagógica. Sob pretexto de didatismo, a TV gosta de mostrar soluções pessoais de professores mirabolantes, e não o fato de que educação requer discussão pública e suprapessoal. Mas ora bolas, diante de tanta coisa, o professor é alguém a quem é possível apontar o dedo em riste.

Vida dura, a de professor. E nem vou lembrar que a Reforma Trabalhista traz agora o trabalho intermitente, as terceirizações e os vínculos que dispensam remunerações complementares ao estrito horário em trabalho (preparar aula, qualificar-se e corrigir avaliação: pra quê?). Ou que a Reforma da Previdência aumentará o tempo para aposentadoria integral. Ou que as licenciaturas – por que será? – não são mais atrativas.

Afinal, o professor não passa de um tradicionalista que causa depressão nos alunos. Ou ainda, não passa de um doutrinador.

O abismo entre as leis e a prática

Brasil: nem uma biblioteca borgeana explica

Notícia que, daqui alguns dias ou meses, fará bafafá: “Projeto de senadora prevê demissão de servidor público estável por mal desempenho”.

Nem vou inserir link. O Brasil está tão previsível que… E está tão ruim de viver por aqui… Mas vamos lá: tempos atrás publicamos exatamente a mesma coisa, sobre a Lei Seca. Nós, brasileiros, de fato exercemos nossa vocação histórica. Fazemos isso muito bem.

existe uma lei que demite servidor público, quando o servidor público não exerce sua função pública com eficiência. Chama-se Lei 8112/90.

No Brasil acontece assim: se a lei não é aplicada, criam então uma nova lei. Mas… se a lei antiga não era aplicada… o que se fez para que agora se aplique a nova lei? Nada, meus caros. Não se corrige o problema original, que é a não aplicação da lei. Num cenário desses, o que se fará é apenas o mesmo de sempre: criar subterfúgios para punir os servidores que trabalham e mascarar os que não trabalham. Criar jeitinhos para benefícios de uns e malefícios de outros. AliásAliás

Há uma lei de verdade, informal, operando por trás da Lei formal, jurídica, vocês entendem? É a Lei do malandro e do mané, muito mais profunda do que qualquer lei escrita. É o mesmo que ocorre quando você vai ao restaurante, ao hospital, à polícia e a tantos outros lugares, sempre. Não precisa haver outra Lei além da 8112. Ela precisa apenas ser aplicada. Servidores públicos precisam ter função pública. Ponto final.

Noves fora, permanece o conto inspirado em Borges, que reproduzo abaixo.

***

Assim poderíamos imaginar um conto borgeano, sobre um lugar que criasse sempre novas e novas leis. Uma lei não sendo fiscalizada na prática, cria-se outra lei, em segunda potência. Teríamos a progressão: Lei, Lei2, Lei3, Lei4, LeiN…
Desse modo, um dia as leis seriam tão dinâmicas que, progressivamente, um número menor de contravenções motivaria cada vez mais uma nova lei, até o ponto em que apenas uma contravenção motivaria a redação de uma Lei nova.
Esse novo jardim infinito das leis geraria um curioso efeito nas contravenções: a cada lei nascente que não se fizesse valer, o número de contravenções aumentaria. Isso motivaria mais ainda a criação de novas leis, e  mostraria ser o ramo das leis o único possível de se criar algo formal, fugindo das práticas criminosas espalhadas mundo afora.
Diante de tantas leis e contravenções, os legisladores seriam ovacionados pelo povo marginal. Mundo “ideal”, apenas nas Leis.  De resto, a barbárie. A ponto de, um dia, o próprio povo tornar-se motivo de desconfiança: não seria ele essa massa de seres irresponsáveis, razão de nossa existência e trabalho árduo?
E a classe legisladora continuaria seu trabalho infinito. Afinal, era da ineficácia de toda lei que se retirava a garantia de seu ofício, e todos os seus privilégios.

A leitura e o mundo novo

O mundo mudou.

Anos 80: “não leio porque não tenho instrução, a vida não me permitiu isso”

Anos 10: “não gosto de ler, acho uma perda de tempo. A nao ser que prenda muuuito minha atenção”

São dois modelos civilizatórios, dois sistemas de exclusão, dois regimes tecnológicos, dois tipos de luta diversos. A leitura como o perigo de produzir um mundo novo; a leitura porque não importa, não produz mais nada.

As ocupações são um campo de batalha

dreamers

Tenho acompanhado notícias de diversas ocupações no Brasil, de escolas médias a universidades. De minha parte, está fora de questão o apoio: se elas são movidas pela luta contra a reforma do ensino médio e a PEC 241-55, a meu ver elas têm mais do que razão.

Além disso, os estudantes estão lutando de forma pouco vista por aqui ultimamente. É incrível, por exemplo, nossa total morbidez frente à reestruturação produtiva do Banco do Brasil. Estão demitindo 18 mil funcionários e fechando centenas de agências de um banco que tem (tinha?) função social importantíssima, sem contar que a última grande reestruturação produtiva foi recente. Alegam “corte de gastos” de 750mi, numa instituição que, com os mesmos funcionários, rendeu 15bi em ano de crise. Apenas assistimos a tudo, bestializados.

Voltando aos estudantes e à ocupação: estar ali, firmar posição e se reunir com outras ocupações nacionais é a luta. Há muito se sabe que boa parte da luta é questão do que chamam de “opinião pública”, “publicidade” e outras palavras da moda. É preciso, sobretudo, excitar a sociedade, mobilizá-la em prol das causas. Não à toa os movimentos estilo MBL se apoiam em vídeos para tentar mostrar que as ocupações não valem nada.

A imagem é moeda de troca. Disso tudo, creio que as ocupações têm um papel muito importante, para além de marcarem posição. É mostrar a quê vieram.

Digo isso porque a impressão é a de que há um imenso esvaziamento intelectual no ensino superior. Em muito isso se deve à profusão de uni-esquinas privadas no Brasil. Há faculdades e faculdades, mas há muito as privadas imprimem um ensino raso, feito para clientes inertes e não alunos ativos. Filmes como “Os Sonhadores”, de Bernardo Bertolucci, mostravam jovens descobrindo a vida em meio à intelectualidade e rebeldia dos anos 60. Relacionar a vida com a intelectualidade? Parece não haver paisagem mais distante.

Disso tudo, a direita (que agora se mobiliza e agrupa do liberalismo mais ingenuamente honesto às piores pulsões autoritárias), se aproveita soberbamente das imagens oferecidas pelas ocupações. Eles – não sou eu quem diz – acusam tudo.

E estão dando pancada.

Ouso dizer que, no centro das acusações, está certa adesão a pautas que não precisariam de estudo para existirem enquanto pautas. Que as mulheres e negros e demais minorias precisem ter lugar, basta ter um cérebro para concordar. Alguns dos ditos “direitistas” concordam, outros não estão nem aí, acéfalos. Mas há algo aqui que eu gostaria de chamar a atenção: o argumento.

O cerne da questão é que, olhando as centenas de ocupações do Brasil, dá-se muita munição ao adversário. Apenas mantendo os exemplos temáticos de gênero e cor: não se vê, por exemplo, grupos de estudos sobre a separação de gênero, questões de sexualidade ou as proveniências e funções do racismo. Menos ainda, questões detidas nas temáticas maiores da universidade, outrora tão contestadoras.

Pelo contrário, muitas pautas são diretas, rasas, do tipo “vamos deixar as minas”, “aulão sobre Foucalt” (sic!), “meditação” e “prática de empoderamento”.

Tudo isso tem lá sua legitimidade. Precisamos lembrar que os ocupantes não estudam 24 horas por dia. Mas, para quem é contra a ocupação, não ver atividades acadêmicas é prato cheio para a crítica. Afinal, não ocupam contra a baixa do nível de ensino e os cortes que atingirão a pesquisa e a extensão?

No caso das universidades públicas, elas são o último bastião onde se pode ter uma educação superior de qualidade, não voltada ao miojo do mercado, mas à grande gastronomia do conhecimento do mundo. Perigosamente, cada vez menos se compreende – à direita e à esquerda!!! – a importância de que o ensino público carrega os últimos bastiões do pensamento no Brasil.

Até a monarquia, que negociava privilégios, achava importante ver um Brasil com ensino superior, afinado às “novidades” européias. A universidade brasileira cresceu, e nos últimos anos houve muitos intercâmbios de igual para igual com inúmeras outras academias estrangeiras (não que isso seja o essencial, mas mostra o quanto houve de abertura de diálogo).

Aquele que quer ver o fim da universidade pública, ou que pretende transformar a universidade e o ensino médio numa fábrica de salsichas mentais, não percebe isso. Aliás, isso nunca foi para nós um ítem de percepção. Um país grande tem pesquisa, e pesquisa implica pesquisadores, mentes pensantes, um burburinho do qual muito ruído é gerado, mas que é também condição de possibilidade da inovação.

Estão atacando as universidades e massacrando o ensino médio. Diante disso, os alunos ocupantes são o pouco de movimento contrário. Com isso precisamos mostrar, todos nós, a que viemos.

Uma nova fuga de cérebros no Brasil?

filo

A Piauí anuncia que Suzana Herculano-Houzel, renomada neurocientista, deixa o Brasil e lecionará nos EUA. Dentre as razões, constam:

  • os poucos recursos fornecidos pelas universidades brasileiras
  • a derrocada do financiamento científico no Brasil e no RJ
  • a carreira engessada dos pesquisadores, não definível por produtividade
  • o confinamento do pesquisador na função pública de professor em universidades
  • o “nivelamento por baixo” das carreiras, sem incentivos para a produtividade
  • a burocracia ineficiente e desmotivadora

O curioso, após isso tudo, foi a divulgação, via “Partido Novo”, de que a fuga do cérebro de SHH se deveria a motivos advogados pelo partido, como a “falta de meritocracia e o excesso de burocracia”.

Dá para ver facilmente onde o Novo quer chegar. Só não dá bem para entender no quê o Partido seria efetivamente “Novo”. Sobre a dita “meritocracia”, já discutimos largamente, ponto a ponto, o assunto por aqui. O “Novo” parece mais é velho.

Dito isso, as queixas da professora têm, sim, grande fundamento.

A começar pelo fato de que um doutor bem formado, quando é admitido numa universidade pública qualquer – dando graças aos deuses de suas (não)crenças por conseguir a única oportunidade dada no Brasil a um pesquisador, a de tornar-se professor de uma universidade pública -, muitas vezes se vê sob uma carga burocrática tão grande que não consegue ocupar seu tempo de pesquisa em meio às inúmeras tarefas: reuniões intermináveis para burocracias, tarefas administrativas kafkianas e demais encargos do ensino. A própria pesquisa está tão burocratizada que é difícil mover um dedo, especialmente quando se está começando. Projetos excelentes podem muito bem ser negados por ausência de vinculação ou demais conquistas burocráticas, e não pelo puro e simples mérito.

Somando-se a isso, consta a precarização do ensino, da pesquisa e da extensão. É fato que os governos Lula ampliaram as universidades de um modo totalmente contrário às pretensões do governo FHC. Também é fato que muitas pós-graduações – responsáveis por formar nossos pesquisadores – cresceram em número e em bolsistas, pois as agências de fomento receberam muito dinheiro e muita boa gente foi formada. Mas também é fato que os financiamentos caíram vertiginosamente (por ex.) e o prognóstico é aterrador. Quem não viu ainda a notícia de que Temer pretende escolher um pastor da universal para o ministério da Ciência e Tecnologia? Aliás, exatamente o inverso do que promulgaria uma guinada “liberal”.

Quanto à carreira engessada, o fato é que, nos últimos anos, as carreiras dos docentes são constantemente reformuladas, ficando mais burocratizadas e nivelando cada vez mais para baixo. Nem de longe se trata de um projeto de valorizar a situação inicial e recompensar os avanços. A aposentadoria se aproxima cada vez mais da iniciativa privada e quase metade do salário é de “gratificações”, que podem ser retiradas a qualquer momento, dependendo apenas de vontade política. Além disso, quando um professor doutor é agora contratado, ele tem mais etapas a cumprir para chegar ao patamar mínimo de alguns anos atrás – o de Professor Adjunto. Desengessamento, maior estímulo à produtividade? Não, é o contrário: a carreira é cada vez mais escalonada para baixo, enquanto exige titulação cada vez mais para cima. Nisso, vê-se que não há incentivo ao mérito, ao menos por dois motivos:

  • Não são criadas condições de base igualitárias para a produtividade
  • O incentivo ao mérito deveria ser “para cima”, e não para sair de um buraco cada vez mais profundo. Recompensa, e não fuga da punição…

A própria noção de “produtividade”, nisso tudo, é dúbia. De um lado, há um movimento de encarar a produtividade como número: publish or perish. Isso faz com que muitos pesquisadores “produtivistas” realizem verdadeiros atentados ambientais, papéis e mais papéis publicados que não passam de auto-paráfrases, auto-cópias ou solenes inutilidades para conseguir um índice a mais nos Qualis da vida. De outro lado, o engajamento necessário a uma boa pesquisa, custe o que custar, é desencorajado. Grandes pesquisadores brasileiros já diziam que essa importação da moda dos papers apenas traria prejuízo, uma vez que os riscos e desafios necessários às grandes descobertas não possuem a velocidade dos papers publicitários e sem ineditismo. Escrever e “produzir” não é igual a postar num blog ou no Facebook. Um bom texto não se mede por backlinks ou por elogios. Muitas das grandes pesquisas exigem o tempo, a paciência e a dedicação do anonimato. Um pesquisador precisaria ter garantida também sua dedicação e solidão. Conquistas e descobertas exigem grande mérito, mas mérito não é o que a meritocracia de um lado, e as instituições (meritocratas ou não) de outro, pretendem fornecer.

Dando fundo a isso tudo, há uma gigantesca confusão do que deve significar a pesquisa em âmbito público. Confunde-se produtividade com “utilidade ao mercado”, e nesse sentido, por exemplo, o PSDB paulista começa a repreender a FAPESP por financiar pesquisas “inúteis”, especialmente chamando de inúteis as pesquisas em humanidades. Quanto a isso, é inominável a falta de informação, ou quiçá a burrice. Todos sabem que as grandes conquistas da ciência vieram dos grandes sacrifícios do conhecimento. Muitas descobertas “inúteis” propiciaram consequências inimagináveis, para o bem e para o mal. Sem contar o seguinte: experimente conversar com um engenheiro com boa formação em humanidades, e depois compare-o com outro que só aprendeu as tabelas. A diferença é abissal, como é também a diferença entre uma sociedade “com” e “sem” humanidades (os fascismos do século XX que o digam).

Um grande país se mede pelo incentivo à pesquisa, pura e aplicada. Os países pequenos se medem pela dependência de quem faz pesquisa e inovação. Aliás, os acontecimentos políticos dos últimos tempos, o naniquismo espiritual brasileiro, tem nos empurrado cada vez mais para um vergonhoso “7 a 1” existencial. Voltamos a galope ao dependentismo intelectual.

A crise atual fornece um panorama tenebroso para o ensino superior e a pesquisa. Nos anos 90, o fenômeno da “fuga de cérebros” era bastante conhecido. Nos anos 2000, alguns “voltaram”. Foi caso notório a “vinda” das pesquisas de Nicolelis ao Brasil. Agora, pelo jeito, o risco voltou, e querem nos apresentar como novo o que no passado já não deu certo.

O horror de pensar

https://i0.wp.com/i292.photobucket.com/albums/mm7/catatando/2001-monolito.jpg

Incrível de ver o horror, o pavor, o pânico, do homem ordinário (nós todos) quando oferecem a ele uma informação que não consiga compreender imediatamente. COMO ASSIM?

A informação não compreendida parece a ele um monolito vindo do espaço: ídolo a louvar ou destruir. Não há espaço para o pensamento.

Prato cheio para uma sociedade na qual a formação e a aprendizagem, com todo seu labor, dão lugar a termos como “treinamento”, “instrução” e outros retirados do comportamento animal.

Não à toa se fala de tanta crise na educação: o aluno deixa de ser aluno para se tornar cliente, e o professor se torna um “prestador” (palavra da moda: “instrutor”). Ai se o conteúdo não for imediatamente acessível! Antigamente se queimavam livros; hoje o acesso se tornou tão livre (embora caro, especialmente no Brasil), talvez porque o pensamento não ofereça mais perigo – afinal, quem é que vai ME ocupar com isso? E se alguém me ocupar com isso: que ultraje!

No que restou de bibliotecas de antigas casas estudantis brasileiras, não é difícil encontrar livros escritos em espanhol, inglês, francês e alemão, utilizados até 20 anos atrás. Florestan Fernandes comentava sobre o fato de seus professores passarem textos publicados em suas próprias línguas nativas, cabendo ao aluno correr atrás.

Correr atrás? É curioso como a falta de recursos do passado se transformou, no presente, na recusa diante da abundância de recursos.

Na Europa transformam igrejas medievais em bibliotecas, e isso deve ter lá seu significado: livros abandonados em igrejas abandonadas, cuidados depois de grandes movimentações – não muito bem quistas pelos burocratas  – para preservar o patrimônio material e imaterial.

Embora até nisso o Brasil tem lá suas diferenças. Basta ir a uma cidade histórica qualquer (ex.: Penedo-AL, de importante valor histórico) e encontrar, jogados às traças, inúmeros documentos de nossa história, que existem só porque algum senhor zeloso teve a decisão pessoal de não jogar fora. Senhores zelosos e professores estão ficando fora de moda 😉