Filosofia das montanhas

Foto da expedição de Mallory em 1922

Na nova edição da Revista Aurora, saiu um artigo intitulado Become Mountain (Tornar-se montanha), de Ian Buchanan.

É sobre Deleuze, e utiliza o exemplo de George Mallory e sua tentativa de escalar o Everest para ilustrar a noção de “corpo sem órgãos”.

Vou ali ler. Considerando os elementos justapostos, o texto promete algo mais do que uma leitura. 😉

Entre o bico de professor e o de garçom…

A imagem acima é do ano passado. Muitos dizem que foi exagerada. Mas e o que dizer disso, por exemplo? Breve citação:

ficar abaixo desse nível significa que os alunos não são capazes de enfrentar situações financeiras diárias para poder tomar decisões – como reconhecer o simples montante de um orçamento ou saber, em função do preço, se é melhor comprar tomates por quilo ou por caixa. De acordo com o estudo, 53% dos alunos brasileiros na faixa de 15 anos ficaram abaixo do nível de conhecimentos financeiros mínimos.

Em relação aos professores, alguém poderia lembrar que a Reforma Trabalhista, com as terceirizações e o trabalho intermitente, cria condições de interpretação perigosa. A Reforma da Previdência estabelece maior tempo de trabalho para a aposentadoria. E os índices de procura nas licenciaturas mostram que a procura para a profissão de professor tem reduzido drasticamente.

Quanto ao dado da OCDE, permite dizer:  já não dá mais nem pra ser garçom.

Blogs e redes sociais

Dias atrás, recebi um comentário revelador: no Facebook, não escolhemos o que podemos ver. Essa tese é incrível: a tese de que escolhemos, sim, o que queremos ver, não é precisamente a tese das “redes sociais”?

Isso foi muito usado contra os blogs. De alguns anos para cá, os links foram trocados pelos “follow” e aplicativos. As tecnologias de RSS, que peneiravam a informação ao gosto do freguês (se você não conhece, vale se informar), deram lugar ao Twitter, ao Facebook etc..

Para mim, foi revelador o comentário do “não escolhemos”, quando na vez seguinte, abri meu Facebook e constatei algo que muita gente comenta há muito tempo: e não é que o Facebook é um verdadeiro esgoto, repleto de gatinhos fofinhos e pessoas cheias de verniz, de um lado, e de outro o mais puro ódio escoado em indiretas e palavras de condenação? Entre um e outro, aparecem alguns factóides e… até links e notícias interessantes. Mas não sai a aparência de uma enxurrada de coisas passando, como numa enchente levando tudo (o Facebook e o Twitter não tem memória e histórico, aliás).

De fato, não escolho o que vejo no Facebook. É como se eu regredisse na “evolução” da internet.

Os blogs, por exemplo: antes das redes sociais, formavam por si próprios espécies de “redes”, só que sem o “follow”. O link capitaneava tudo. Sempre houve pontos focais e autores transformados em autoridades, mas o que sempre mediou tudo foi o assunto.

Com as redes sociais, algo mudou: pode ser até que pessoas se concentrem em nichos específicos de assuntos, mas via de regra você não segue mais assuntos, e sim pessoas. Disso se segue tudo o mais: por simpatia à pessoa, e não ao assunto, somos bombardeados por toda sorte de questão de aprazimento (não de gosto), entre gatinhos, pessoas bonitas, condenações de pobre e hails a políticos fascistas. Se em alguns momentos as redes mostraram interessantes articulações (como na Primavera Árabe), em boa parte do resto se mostraram incrivelmente reacionárias e fascistas.

Deixo meu ponto mais claro: não se trata aqui de uma diferença de escolha, mas de plataforma. A escolha da plataforma define todo o resto, se um amontoado de ressentimentos, ou se uma autonomia maior para dialogar assuntos. Vale, sobre isso, dar uma olhadinha em assuntos como esse.

Outra diferença: os comentários. Pela presunção do “você tem sua opinião, eu tenho a minha“, isto é, do respeito auto-inibidor, toda sorte de lixo é propagada nas redes sociais, sem qualquer possibilidade de comentário. Afinal, o comentário afeta a pessoa, e não o assunto (ou, via de regra, é isso que ocorre). Mas aceitar uma opinião lixo – que muitas vezes ofende ou abre espaço para a ofensa de outras pessoas, como o apoio a políticos fascistas – não é respeito, é a negação da possibilidade de respeitar. É, portanto, a negação do “social” no nome “redes sociais”.

E o mais curioso: o “eu tenho minha opinião, você tem a sua” acaba com a própria comunicação social, na rede social. Ou as caixas ficam vazias, ou se perde a oportunidade de fazer o que se faz na vida real, isto é, de conversar ao vivo, o que é muito mais gostoso. Por pretexto de trocas, redes sociais muitas vezes deixam de trocar.

Quanto aos blogs, é óbvio que já existiam blogs e assuntos reaças. Mas o foco no assunto afastava a hipótese do “respeito auto-inibidor”.  Por isso, ponto novamente para os blogs, pois neles as pessoas tinham algum horizonte de escolha sobre o que ler e como acessar.

Inclusive, vocês não têm idéia sobre o quanto os blogs proporcionavam bons encontros e amizades 😉

A roda do tempo

Kalachakra ou A Roda do Tempo, lindo documentário de Werner Herzog, de 2003. Aqui, a versão em inglês. Aparentemente, aqui tem com legenda.

Mas o que me fez escrever esse post é um exemplo que me tocou: um peregrino vai à pé até a árvore Bodhi desde terras “mais longínquas do que o Tibet”. Para traduzi-lo, precisam de duas pessoas, uma que verta seu dialeto ao tibetano, e outra do tibetano ao inglês. O peregrino fez todo o caminho não apenas à pé, mas em prostração, durante 3 anos e meio. Estava ali, junto à árvore do Buda e sereno.

O mundo e suas antigas práticas de peregrinação e hospedagem ainda existe.

89 segundos em Alcázar

Há muito tempo anunciamos o lançamento de 89 Segundos em Alcázar. É a reprodução exata do quadro Las Meninas, de Velasquez. Vale a pena rever. 😉

Não é mais normal ser professor #naoenormal

Na mesma noite, recebo dois posts: o primeiro, acusando a universidade pública em geral de “causar depressão” nos estudantes. O segundo, informando que professores “dizem sofrer” (com dois verbos, assim mesmo) censura de simpatizantes do Escola Sem Partido.

A sincronicidade é incrível.

É certo que a educação, do básico ao superior, mudou muito nos últimos anos. Mas é absolutamente surpreendente o fenômeno: onde a educação diz rigor, qualidade, reflexão, à direita acusam de doutrinação, e à esquerda acusam de tradicionalismo.

É certo que as universidades públicas ainda carregam ranços de tradicionalismo. E por isso o vídeo acima quer dizer: há professores de gerações antigas que são insensíveis a questões pedagógicas mais construtivas e utilizam sua autoridade para negar cidadania aos alunos no mundo do Saber; há igualmente certo lobby de produtivismo, mais recente, que fica intolerante às questões pessoais.

Isso está completamente certo.  Mas é inteiramente errado quando pretende generalizar. E é míope também.

Para começar o assunto, as universidades não são mais as mesmas. As públicas, que sempre tiveram pesquisa e extensão, não ditam mais as regras. Os professores cada vez mais perdem direitos e espaço que não seja o de sala de aula. Aula está se tornando a finalidade última da universidade, que está perdendo a dignidade do nome de “universidade”. Proliferam os vínculos horistas, que dispensam pesquisa. E o lobby das privadas achata, cada vez mais, o ensino num didatismo forçado, que para dar justo nome à coisa não passaria de uma forçada facilitação.

É incrível o número de professores que adoecem com isso, ou precisam não mostrar que adoecem sob a pena de perderem o emprego.

Sob pretexto de “não afetar os alunos”, as Unidunitês por aí fazem para suas avaliações bancos de questões baseadas em manuais ultrapassados (quando não, apostilas facilitantes), ou permitem sistemas de avaliações cuja única função é a de existir para dizer que algo foi feito. Muitas vezes isso tudo é coordenado por quem não tem olho na pedagogia, mas no bolso. Alunos de exatas não aprendem a calcular e de humanas não aprendem a ler. As questões analíticas são negligenciadas em nome de uma instrução programada, para não causar dificuldade ou sofrimento.

Não bastasse isso, o aluno que entra em universidade não tem formação suficiente. A coisa já vem da base. O professor é muitas vezes constrangido a fazer milagres, pois o comportamento do aluno também mudou muito. Ele não mais se dedica a fazer o mínimo. Há 20 anos existia certo pacto de mediocridade, no qual os alunos ao menos faziam o mínimo. O pacto de hoje é de não fazer nada: aprovação automática. E o professor, além do mais, precisa contemplar índices de produtividade, quer dizer, de aprovação.

O dilema é cruel: Reprovar significa demitir, aprovar significa ser desonesto e, em qualquer das duas hipóteses, o professor será visto como mal professor, sem ética, caráter ou didática. Não há para onde correr, pois a linguagem de fundo é a do dinheiro, não a pedagógica. Sob pretexto de didatismo, a TV gosta de mostrar soluções pessoais de professores mirabolantes, e não o fato de que educação requer discussão pública e suprapessoal. Mas ora bolas, diante de tanta coisa, o professor é alguém a quem é possível apontar o dedo em riste.

Vida dura, a de professor. E nem vou lembrar que a Reforma Trabalhista traz agora o trabalho intermitente, as terceirizações e os vínculos que dispensam remunerações complementares ao estrito horário em trabalho (preparar aula, qualificar-se e corrigir avaliação: pra quê?). Ou que a Reforma da Previdência aumentará o tempo para aposentadoria integral. Ou que as licenciaturas – por que será? – não são mais atrativas.

Afinal, o professor não passa de um tradicionalista que causa depressão nos alunos. Ou ainda, não passa de um doutrinador.

O abismo entre as leis e a prática

Brasil: nem uma biblioteca borgeana explica

Notícia que, daqui alguns dias ou meses, fará bafafá: “Projeto de senadora prevê demissão de servidor público estável por mal desempenho”.

Nem vou inserir link. O Brasil está tão previsível que… E está tão ruim de viver por aqui… Mas vamos lá: tempos atrás publicamos exatamente a mesma coisa, sobre a Lei Seca. Nós, brasileiros, de fato exercemos nossa vocação histórica. Fazemos isso muito bem.

existe uma lei que demite servidor público, quando o servidor público não exerce sua função pública com eficiência. Chama-se Lei 8112/90.

No Brasil acontece assim: se a lei não é aplicada, criam então uma nova lei. Mas… se a lei antiga não era aplicada… o que se fez para que agora se aplique a nova lei? Nada, meus caros. Não se corrige o problema original, que é a não aplicação da lei. Num cenário desses, o que se fará é apenas o mesmo de sempre: criar subterfúgios para punir os servidores que trabalham e mascarar os que não trabalham. Criar jeitinhos para benefícios de uns e malefícios de outros. AliásAliás

Há uma lei de verdade, informal, operando por trás da Lei formal, jurídica, vocês entendem? É a Lei do malandro e do mané, muito mais profunda do que qualquer lei escrita. É o mesmo que ocorre quando você vai ao restaurante, ao hospital, à polícia e a tantos outros lugares, sempre. Não precisa haver outra Lei além da 8112. Ela precisa apenas ser aplicada. Servidores públicos precisam ter função pública. Ponto final.

Noves fora, permanece o conto inspirado em Borges, que reproduzo abaixo.

***

Assim poderíamos imaginar um conto borgeano, sobre um lugar que criasse sempre novas e novas leis. Uma lei não sendo fiscalizada na prática, cria-se outra lei, em segunda potência. Teríamos a progressão: Lei, Lei2, Lei3, Lei4, LeiN…
Desse modo, um dia as leis seriam tão dinâmicas que, progressivamente, um número menor de contravenções motivaria cada vez mais uma nova lei, até o ponto em que apenas uma contravenção motivaria a redação de uma Lei nova.
Esse novo jardim infinito das leis geraria um curioso efeito nas contravenções: a cada lei nascente que não se fizesse valer, o número de contravenções aumentaria. Isso motivaria mais ainda a criação de novas leis, e  mostraria ser o ramo das leis o único possível de se criar algo formal, fugindo das práticas criminosas espalhadas mundo afora.
Diante de tantas leis e contravenções, os legisladores seriam ovacionados pelo povo marginal. Mundo “ideal”, apenas nas Leis.  De resto, a barbárie. A ponto de, um dia, o próprio povo tornar-se motivo de desconfiança: não seria ele essa massa de seres irresponsáveis, razão de nossa existência e trabalho árduo?
E a classe legisladora continuaria seu trabalho infinito. Afinal, era da ineficácia de toda lei que se retirava a garantia de seu ofício, e todos os seus privilégios.

Demarcando o Brasil

Para a História do Esquecimento é digno de lembrança o modo pelo qual o Brasil começou a se preocupar com algo inerentemente interno, brasileiro, isto é, quando o poder central achou por bem que algo desse lugar devesse ser organizado, influenciando no fluxo e no hábito das pessoas e na configuração do local, e para isso utilizou leis e polícia.

Note-se que é bem diferente chegar aqui e revirar o país em busca do pau-brasil e outras benesses para enriquecer o poder central, e começar a se preocupar com algo inerente a esse lugar. Uma coisa é adotar o Brasil como mero meio para determinados fins; outra é supor que o Brasil merece alguma importância para organizar o que existe aqui para fins – mesmo que provisórios – brasileiros.

Um caso muito peculiar disso diz respeito à relação entre a povoação do interior e do litoral. Durante muito tempo, o poder central não aconselhou, e mesmo impediu, o povoamento e o fluxo de pessoas ao interior. Não à toa a população brasileira é, até hoje, litorânea:

O primeiro donatário penetrara melhor do que muitos dos futuros governadores os verdadeiros interesses do Estado: (…) não ignorava que dom João III tinha mandado fundar colônias em país tão remoto com o intuito de retirar proveitos para o Estado, mediante a exportação de gêneros de procedência brasileira: sabia que os gêneros produzidos junto ao mar podiam conduzir-se facilmente à Europa e que os do sertão, pelo contrário, demoravam a chegar aos portos onde fossem embarcados e, se chegassem, seria com tais despesas, que aos lavradores “não faria conta largá-los pelo preço por que se vendessem os da marinha”. (Raízes do Brasil, p. 101)

Veja-se que (estamos no século XVII-XVIII) a colonização do interior não ofereceria interesse – e São Paulo é para Sergio Buarque pioneer em certa autonomia brasileira – por critérios que não dizem respeito à criação de um país, mas simplesmente pelo escoamento das benesses, do quintal para onde realmente interessa.

Mas algo muda quando descobrem as Minas Gerais. Como evitar a emigração massiva ao interior, por tanta gente – inclusive estrangeiros e monges – interessada naquilo que pertence em maior parte à Coroa? Algo faz os interesses do poder português precisarem se focar no Brasil, isto é, em negócios brasileiros:

Então, e só então, é que Portugal delibera intervir mais energicamente nos negócios de sua possessão ultramarina, mas para usar de uma energia puramente repressiva, policial, e menos dirigida a edificar alguma coisa de permanente do que a absorver tudo quanto lhe fosse de imediato proveito. É o que se verifica em particular na chamada Demarcação Diamantina, espécie de Estado dentro do Estado, com seus limites rigidamente definidos, e que ninguém pode transpor sem licença expressa das autoridades. (…) “ Única na história” , observa Martius, “essa idéia de se isolar um território, onde todas as condições civis ficavam subordinadas à exploração de um bem exclusivo da Coroa.” (…) A circunstância do descobrimento das minas, sobretudo das minas de diamantes, foi, pois, o que determinou finalmente Portugal a pôr um pouco mais de ordem em sua colônia, ordem mantida com artifício pela tirania dos que se interessavam em ter mobilizadas todas as forças econômicas do país para lhe desfrutarem, sem maior trabalho, os benefícios. (…) Não fosse também essa circunstância, veríamos, sem dúvida, prevalecer até ao fim o recurso fácil à colonização litorânea, graças à qual tais benefícios ficariam relativamente acessíveis. (Raízes do Brasil, p. 103)

Um país que faz medidas “únicas no mundo”, dizia Martius, quando se refere a esse curioso caráter de estabelecer medidas civilizatórias – demarcar o povo e a circulação dos bens – e, ao mesmo tempo, faz com que o povo, os bens e tudo apenas sirvam para outros propósitos, os propósitos da Coroa.

Um país no qual as medidas civilizatórias são “únicas no mundo” e podem variar ao sabor da Coroa? Um país no qual a própria noção de civilização serve de adorno para critérios não civilizatórios? Não sei o porquê, mas hoje abri o jornal e isso me fez lembrar outras estórias. Nada que precise mover você, leitor, do sofá (afinal, é assim que brindamos nossa vocação histórica).

A leitura e o mundo novo

O mundo mudou.

Anos 80: “não leio porque não tenho instrução, a vida não me permitiu isso”

Anos 10: “não gosto de ler, acho uma perda de tempo. A nao ser que prenda muuuito minha atenção”

São dois modelos civilizatórios, dois sistemas de exclusão, dois regimes tecnológicos, dois tipos de luta diversos. A leitura como o perigo de produzir um mundo novo; a leitura porque não importa, não produz mais nada.

Brasil terceirizado

Cenário: você é um Headhunter no universo da terceirização. Monta uma, ou várias, prestadoras de serviço. Afinal, qualquer trabalho pode ser terceirizado. Você então faz uma boa publicidade prometendo emprego certo (pouco importa se isso é verdade).

Os candidatos a “colaboradores” começam a aparecer. Você divulga a maravilha que é as pessoas pertencerem a seu leque de “colaboradores”. Para participar dele, elas precisam pagar uma “taxa administrativa”. Poderá ser única, “de manutenção”, trimestral ou, com jeitinho, até mensal. Pode haver desde o plano básico até o plus.

Quanto ao emprego de fato, depende: quem o candidato é ou conhece tem total preponderância. Berço, entende?  O curriculo vem em segundo ou terceiro lugar. E está no contrato: o pagamento é garantia de que o candidato será mantido no diretório de possíveis colaboradores, e NÃO de que será contratado. É preciso ter lábia. E a empresa que contratou serviço também vai ter poder decisório, mesmo que na prática, na manha. 

Com muita sorte, o headhunter é idôneo e tem de verdade contato com empresas (lembremos: o contrato não garante contratação).

Então um candidato é eventualmente chamado. Trabalhará sob o novo vínculo temporário, por 6 meses. Vínculo temporário é mais barato, entende? E a lei agora permite alargar mais 3 meses, 9 meses no total. Perfeito! Pode-se contratar em março e demitir no fim de novembro!

Depois de demitido, o feliz colaborador pode renovar o contrato de headhunting, ou até pagar um plano diferenciado. Depende sempre do berço.

Você, headhunter, enriquece. Quem sabe, para o colaborador, ano que vem tem mais.