Das antropologias cariocas

Você está almoçando. Termina e, ensaiando o primeiro sossego, repousa o garfo no prato. Imediatamente e até de um jeito meio agressivo, o garçom vem e toma o prato de sua mão. Quase no seco.

Depois da vez número 999875 em que isso ocorreu, eu parei o garçom e disse:

– Amigo, você percebe o quanto é chato que o garçom venha e retire o prato da mão do cliente tão logo o cliente pare de comer, sem nem conseguir respirar?

Primeira reação: passar por desentendido. Segunda: não dar bola. Terceira: começar a engrossar a coisa.

Entre a primeira e a segunda reação, dou o pulo do gato e emendo:

– Amigo, olha só: para além do Rio, no mundo inteiro o garçom não vem e tira o prato da mão do cliente tão logo ele pare de comer. Imagine você almoçando e, logo que para, vem o garçom e tira o prato da tua mão. O que você vai pensar?

O garçom hesita um pouco e… esboça um sorriso, daqueles bem sem-vergonhas, do tipo “me pegou no flagra, cumpadi!”. Continuo:

– Amigo, quando você for tirar o prato de alguém dessa forma, chegue e diga algo como “olha só, estou tirando agora seu prato mas é para liberar a mesa e deixar você à vontade, viu? Pode ficar tranquilo”.

Aliás, aprendi a técnica com as garçonetes alagoanas que atendem ali perto (num dos melhores restaurantes preço-benefício que já fui, aliás).

O garçom dá uma pensada, olha para mim, pega o prato e… agradece.

E eu passo por mais uma dessas. Sorte que, pelo menos nessa saída de casa, não aconteceu mais nada (já não falarei pelo que ocorreu de manhã, ou ontem, ou…)

Anúncios

As nuvens negras do fascismo de 2018

Estou muito impressionado com o pessoal de minha timeline, e da vida em geral, que entra na bravata geral e anuncia que vai votar no Bolsonaro. Impressionado a ponto de temer que ocorra por aqui em 2018 algo semelhante à vitória de Trump, nos EUA.

Concordo que existe ainda um bom número de gente da “esquerda ligada à restituição do PT” (que inclusive achou legal ver Gleisi Hoffmann eleita na presidência do partido, mostrando que o partido não viu nadinha da bordoada que recebeu nas últimas eleições), desempenhando um grande papel na criação dessa monstruosidade.

Bolsonaro é um político inócuo, pífio, de partido nanico e sem qualquer expressividade.

Mas ela – esquerda ligada ao PT -, pela cegueira diante da corrupção do partido, acabou reforçando e ajudando a canalizar o perigoso contra-efeito: o pretexto de anti-petismo, bastante batido pela TV, acabou se misturado com certa visão seletiva da corrupção (à direita, cegamente atacando só o PT e à esquerda, cegamente defendendo o PT). Isso consolida, primeiro a conta-gotas mas agora de forma cada vez mais sedimentada, uma grande insatisfação geral que acabou, meio acidentalmente, apontando para o “Bolsonaro 2018”.

Mas isso não explica tudo. Bolsonaro é um fascista à brasileira. E por “fascismo à brasileira”, defino

1) o governo de uma elite política (a mesma velha elite brasileira do “blocão”) ligada à elite financeira (aliás, o mesmo “blocão”), que acabará convencendo o povo no gogó – como sempre – de que cumprirá um rigorismo ligado a um Estado policialesco, com maximização da repressão policial contra os “bandidos”.
-> governo esse que seguirá com a mesmíssima corrupção já existente, inclusive ligada às empreiteiras e às propinas, distribuições de privilégios e mesadas de partidos, tendo visto que, ora bolas, o próprio Bolsonaro e seu partido estão entre os mais puros beneficiários do esquema que os bolsominions atribuem ao PT;

2) o governo que seguirá a pauta zumbi do governo Temer, ligada no discurso à “modernização” da economia,
-> mas que na prática não passa de um governo de má gestão e administração travestidos de “eficiência”, quando identifica o progresso ao velho tema de cortar na carne do povo. Será nada mais, nada menos, do que a retomada radical do velho tema do Brasil como um “moinho de gastar gente”;

3) o governo que, para apoiar o pretexto de rigorismo policialesco, acabará com todas as pautas ligadas aos direitos humanos, aniquilando toda e qualquer minoria, que se identificará ao velho disco furado da “vagabundagem”, do “crime” e da “afronta aos costumes”.

Quem apoia Bolsonaro – declaradamente ou não – acaba apoiando as idéias acima. O duplipensar é incrível. Senão, vejamos:

– Os sujeitos dizem que Bolsonaro é bom porque “acabará com a bandidagem” e “dará fim à corja do PT”, quando desconsideram que o partido do dito cujo recebeu propina igualzinho aos outros, e o próprio Bolsonaro também foi beneficiado por ganhar propina “esquentada”!

– Os mesmos acham estranho que se chame Bolsonaro de fascista, e ao mesmo tempo sustentam a idéia de que os direitos humanos devem ser banidos e a violência policial é a única boa solução para “colocar ordem na coisa”

– Finalmente – e uma das coisas mais surpreendentes – o pensamento empregado por esse tipo de gente é inteiramente negativo, isto é, vazio e amparado na reação, no contra-efeito: não há qualquer proposta ligada à existência de Bolsonaro. O que há é a canalização de um descontentamento e uma recusa de pensar, aliás ilustrada pelo método favorito dessa gente: responder uma acusação com outra acusação. É a existência motivada pela vitória do “zero a menos um”, no abandono do jogo em busca do gol contra do adversário. O mais puro reacionarismo.

Há nuvens à vista, e a enxurrada vai afundar o Brasil ainda mais… Embora o brasileiro, ora bolas, já está acostumado e até… deseja isso!

O que resta da mata atlântica

Le Comte de Clarac - La Foret Vierge du Bresil 1822

A notícia é praticamente irrelevante: “o que resta da mata atlântica“. Mas ela carrega muita coisa consigo.

A primeira é uma questão de sensibilidade. Por exemplo, o Brasil inteiro apenas existe devido à Mata Atlântica. Mas o brasileiro pouco a conhece. Se a conhecesse, talvez a probabilidade de preservá-la seria maior. Mas quando a conhece, muitas vezes isso se faz sob outro tipo de relação – nosso velho aventureirismo extrativista.

No Rio de Janeiro, por exemplo, permanecem alguns monumentos de outrora. A exuberância do Parque da Tijuca praticamente toca alguns outros parques urbanos, como o Jardim Botânico do Rio, onde o Imperador almoçava enquanto contemplava a floresta.

Mas é curioso, pois muito do resto do Rio não tem maior contato com a floresta senão apontando o dedo. Beleza para inglês ver. Em muitas regiões do RJ, as árvores frondosas e a identidade da Mata Atlântica são simples estorvo.

A mesma coisa se repete em inúmeros outros estados. No link acima, é possível ver a mata remanescente. No PR e SC, ela parece um pouquinho mais concentrada. Talvez um pouco mais entre o norte do PR e sudeste de SP.

Predominam os espaços pontilhados. É surpreendente ver, em tantos lugares, a simples ausência da mata. O habitante simplesmente nasce e cresce sem saber que, ali, havia tanta exuberância.

Um exemplo bastante notável é o Parque da Cidade, em Aracaju. Embora abandonado, ele concentra sobre si muito do que era a região em tempos passados. Mas a grande maioria dos sergipanos não tem tal experiência. É um verdadeiro choque visitar o parque, como se cortasse o padrão do restante da cidade.

É de se imaginar o que seria nosso país se valorizasse seus verdadeiros tesouros. A Mata Atlântica é um dos principais. Mas parecemos seguir em outra direção.

“Qualquer um aqui pode ser subornado”

É bastante temeroso ouvir os crimes enormes cometidos diariamente e não punidos. Um escravo que assassinar seu senhor se tornará um escravo do governo após ser confinado por algum tempo. Já um homem rico pode estar certo de que estará livre dentro de pouco tempo, por maior que seja a acusação contra si. Todos aqui podem ser subornados. Um homem pode se tornar marinheiro ou médico ou qualquer outra profissão se puder pagar o bastante. Alguns brasileiros já declararam com seriedade que o único defeito que enxergam nas leis inglesas foi não identificar qualquer vantagem dos ricos e respeitáveis sobre os pobres e miseráveis.

Os brasileiros, até onde posso julgar, possuem apenas uma pequena fração daquelas qualidades que conferem dignidade à humanidade. Ignorantes, covardes e indolentes ao extremo. Hospitaleiros e bem intencionados até onde isso não lhes causa qualquer problema. Moderados, vingativos, mas não briguentos. Contentes consigo e com seus costumes, eles respondem a qualquer comentário perguntando: “Por que não podemos fazer como nossos avós faziam?”. Sua própria aparência pressagia sua pequena elevaçao de caráter. De vulto pequeno, eles logo se tornam corpulentos. Devido a sua pouca expressão, parecem ter a cara afundada entre os ombros. Os monges são ainda piores nesse último aspecto. Não é preciso muita fisiognomia para ver plenamente estampados em seu rosto a dissimulação perseverante, a sensualidade e o orgulho. Há um velho que sempre paro para olhar, igual apenas a Judas Iscariotes em tudo que já vi.

(Charles Darwin, Viagem do Beagle, 2 de julho de 1832 (?) – hoje foi um dia em que lembrei muito dessa passagem)

Entre o bico de professor e o de garçom…

A imagem acima é do ano passado. Muitos dizem que foi exagerada. Mas e o que dizer disso, por exemplo? Breve citação:

ficar abaixo desse nível significa que os alunos não são capazes de enfrentar situações financeiras diárias para poder tomar decisões – como reconhecer o simples montante de um orçamento ou saber, em função do preço, se é melhor comprar tomates por quilo ou por caixa. De acordo com o estudo, 53% dos alunos brasileiros na faixa de 15 anos ficaram abaixo do nível de conhecimentos financeiros mínimos.

Em relação aos professores, alguém poderia lembrar que a Reforma Trabalhista, com as terceirizações e o trabalho intermitente, cria condições de interpretação perigosa. A Reforma da Previdência estabelece maior tempo de trabalho para a aposentadoria. E os índices de procura nas licenciaturas mostram que a procura para a profissão de professor tem reduzido drasticamente.

Quanto ao dado da OCDE, permite dizer:  já não dá mais nem pra ser garçom.